2017 começou com muita movimentação. Apesar de termos no Brasil uma cultura popular de que o ano só começa mesmo depois do carnaval, há muitos escritórios que já definiram seu planejamento estratégico considerando as tendências 2017 para o mercado jurídico.

Em consultoria, os meses de dezembro, janeiro e fevereiro geralmente são bem parados devido ao período de férias e o próprio recesso do judiciário, contudo em 5 anos de atuação da advoco, nunca tivemos tanta movimentação de clientes nestes meses. E isto é um sintoma claro de que o ambiente jurídico está amadurecendo em termos de gestão.

Não há mais espaço para escritórios que ainda não adotam um modelo de gestão profissional.

Tendências 2017 para o mercado jurídico

Tendências-2017-para-o-mercado-jurídico1 – Novas oportunidades com a Reforma Trabalhista e Previdenciária

Alcançamos no Brasil o maior nível de desemprego da história. Somos mais de 12 milhões de desempregados e as previsões de que este número diminua é apenas para o segundo semestre 2018. Isto se não houver uma nova crise política-econômica.

Para quem é especialista em Direito do Trabalho, o mercado nunca esteve tão aquecido, tanto para quem quer lidar com ‘massa’, quanto para quem quer lidar com consultivo. Principalmente porque o Governo implementando uma séries de medidas para reformar a CLT e também a previdência.

Um de nossos clientes ao se deparar com uma pressão por redução no contrato, decidiu criar um treinamento para as equipes de RH em todo o Brasil, para ‘ensinar’ a recrutar melhor, ajustar os papéis e responsabilidades da equipe e principalmente mostrar o ‘valor agregado’ na relação com o cliente. Este é uma exemplo de como é preciso que o advogado entenda do processo corporativo dentro da empresa, e não apenas dos procedimentos jurídicos em si.

Os especialistas em Direito Trabalhista e Previdenciário estão com uma das maiores oportunidades de desenvolver melhores e maiores negócios, tanto para reclamantes, quanto para empresas.

2 – Marketing de conteúdo como a principal arma para a reputação

Há dezenas de maneiras de se fazer marketing. Mas, sem dúvida o crescimento do marketing de conteúdo tem se intensificado e, o melhor de tudo é que não há nenhuma restrição do ponto de vista do código de ética da OAB neste sentido.

Em outras palavras, quanto mais o advogado mostrar que seu conhecimento jurídico pode contribuir para os negócios, dores e necessidades de seus clientes, mais ele será visto como um especialista na área, alguém com quem se pode contar para resolver grandes problemas.

Veja neste link algumas dicas para você aprimorar seu marketing de conteúdo:

3 – Finalmente o impacto positivo da Geração Y

Muito se criticou o comportamento dos jovens que estavam ingressando no mercado de trabalho. As críticas eram diversas: Gente que não respeitava muito a liderança, tinham atenção difusa, queriam crescer rapidamente e não tinham aquele compromisso desejado sobre  o escritório, ficavam pulando de escritório em escritório e a qualidade dos entregáveis não era muito confiável, o atendimento ao cliente era secundário e tudo o mais.

Claro que muitas destas críticas eram infundadas e muitas eram reais. Mas, uma coisa é certa, ambos os lados estavam perdendo muito.

Acontece que como tudo na vida, as pessoas têm que encontrar caminhos para se adaptarem. Os sócios precisaram se adaptar e compreender que não adianta forçar muito a barra empurrando métodos de gestão do século XX e esse pessoal geração Y cresceu e mesmo os mais jovens estão percebendo que não há espaço para comportamentos infantis. Precisaram amadurecer para se manterem com a empregabilidade em alta.

Agora ambos, tanto os sócios, quanto os da geração Y estão aproveitando ao máximo suas experiências e energia para avançarem no mundo jurídico.

Se seu escritório ainda está tendo dificuldades com jovens entre 24 e 40 anos, então você precisa mudar radicalmente sua forma de enxergar as relações e aproveitar o máximo das habilidades de ambos. Principalmente porque a geração Z, jovens abaixo de 23 anos, está vindo por aí.

4 – Precificação estruturada de honorários é tão fundamental quanto sobreviver na advocacia

Definir honorários de forma estruturada e alinhada a uma estratégia de crescimento pode parecer básico, mas muitos escritórios, mesmos os grandes não tem uma política de precificação de honorários.

Temos trabalhado com bancas de todo o tamanho e mesmo as grandes bancas ainda definem os honorários da mesma forma que sempre fizeram: no feeling, na experiência, de acordo com a cara do cliente, mas nada estruturado.

Contudo, temos visto é uma verdadeira preocupação sobre este tema. Muitos escritórios estão precificando seus honorários baseado em uma estratégia de crescimento, principalmente para não ter mais uma postura amadora. A estratégia de crescimento está em voga em 2017.

Veja abaixo uma ferramenta gratuita para precificação de honorários para pequenos escritórios ou advogados autônomos:

OBS.: Temos um treinamento específico para precificação de honorários baseado em uma estratégia de crescimento, tanto para para pequenas, quanto grandes bancas. 

Fizemos recentemente uma pesquisa cm 127 escritórios de advocacia e apenas 23% tinham uma forma estruturada de precificação de honorários, contudo estamos sendo cada vez mais acionados para ajudar na definição correta de honorários e conectada a uma estratégia de crescimento.

5 – Profissionalização do backoffice

A estrutura de administração do escritório de advocacia mudou. Os escritórios, mesmo os pequenos, estão agora cada vez mais investindo na camada de gestão para ajudar a gerir o negócio.

Além de propiciar ganhos claros de eficiência, também cria uma senso de profissionalização e compromisso com resultados em toda a banca, bem como na cadeia de decisões.

Não estamos falando aqui de contratar analistas e auxiliares administrativos e financeiros, mas sim, gerentes e diretores. Gente sênior e capaz de ser o braço direito de sócios na condução dos negócios.

Acredite, este é um caminho sem volta para todos os escritórios que querem ter um crescimento ainda mais sustentável no longo prazo. Estabelecer de uma vez por todas uma relação íntima com a gestão e deixar na mão de profissionais a condução do  back-office é uma das maiores tendências para 2017.

6 – Mulheres no poder

Há aproximadamente 10 anos apenas 16 mulheres figuravam entre as mais admiradas na Análise 500, agora são mais de 70 e este número não para de crescer.

É nítida a preocupação dos escritórios em ter mulheres como sócias.

2016 foi o ano em que as questões sobre diversidade chegaram a um ponto crítico e os escritórios de advocacia começaram a se mostrar mais preocupados com isto. Agora os sócios são forçados a lidar com fatores que contribuem para a falta de diversidade, incluindo a forma como as pessoas são contratadas.

Os escritórios de advocacia que não estão se diversificando perderão grandes oportunidades de crescimento, simples assim. O espaço para comportamentos preconceituosos e machistas está cada vez menor.

Todas as grandes empresas têm demonstrado uma preocupação genuína em ter mulheres em postos de liderança. Os escritórios mais admirados nos EUA tem como meta ter mulheres como sócias, inclusive este é um requisito básico para serem considerados como mais admirados. Seu escritório será cobrado por isto, cedo ou tarde.

Escritórios de advocacia na vanguarda irão dar cada vez mais oportunidade a atuação da mulher em posições de liderança e abrirão mais espaço para te-las como sócias.

7 – Maior foco na venda

Muito se tem falado de Marketing Jurídico. É como se isto fosse a salvação da pátria para que escritórios de advocacia melhorarem sua receita.

A verdade é que não é tão simples assim, porque no mundo jurídico o advogado precisa criar uma conexão genuína com o cliente e isto só é possível com a construção de um relacionamento. E isto leva tempo.

Marketing é sobre sua mensagem, sobre seu posicionamento, seu site, sua biografia como advogado, seu perfil nas mídias sociais, sobre o que você escreve e coisas afins.
Vendas na advocacia é quando você está sentado frente a frente com seu potencial cliente e você faz importantes perguntas (e tem uma habilidade para ouvir suas respostas de forma genuína e assim dar-lhe caminhos para solução).

Marketing sem vendas é dinheiro jogado fora. Vendas sem marketing é reduzir qualquer potencial de crescimento.

A forma mais inteligente de impactar o mercado é fazer Marketing e Vendas trabalharem de forma integrada. Com uma estratégia de posicionamento clara e com uma previsão de receitas e ações estruturadas, tanto offline quanto online.

O domínio de técnicas de venda e persuasão irá afetar o modo como você irá posicionar e prosperar com sua prática de advocacia no futuro!

É assim que os melhores escritórios tem se posicionado, investindo em treinamentos de venda, abrindo os livros de negócio para seus advogados e os transformando em verdadeiros advogados-vendedores.

Veja neste link algumas artigos para você aprimorar suas vendas:

Temos falado bastante nas últimas semanas sobre CRM, que é uma abordagem completamente estruturada sobre a atuação do advogado focado em vendas. Recomendamos olhar tudo o que escrevemos sobre este tema.

Em março lançaremos a segunda semana de marketing jurídico, onde abordaremos temas como vendas para advogados e como se diferenciar em meio a tanta concorrência.

Veja neste link a 2ª semana de marketing jurídico:

Conclusão

Estas são as principais tendências que temos vivenciado neste início de ano. No seu escritório isto já é uma realidade? Conte-nos seu ponto de vista.

por André Medeiros – sócio na Advoco Brasil

Facebook Comentários

Leave a Reply

Desenvolvendo Escritórios de Advocacia - Advoco Brasil (11) 4890-2353 - contato@advocobrasil.com.br